Porque você não pode perder o Chef’s Table França

Com apenas 4 episódios está no ar pelo Netflix a terceira temporada de Chef Table. Desta vez só com chefs franceses. Mas, tirando o fato de serem todos nascidos na França os chefs Alain Passard, Alexandre Couillon, Adeline Grattard e Michel Troisgros não possuem nada em comum. E é extamente isso que esta terceira temporada de Chef Table quer mostrar: a beleza e a diversidade da cozinha da francesa atual.

4991073_7_5e47_alain-passard-l-un-des-chefs-francais_10b1a1ae1070e4772fcfdbc8b0a24b97

Quem abre a série é Alain Passard.
Passard faz parte de um seleto clube de chefs estrelas da nova cozinha francesa. Ele é a maior excessão entre os chefs de sua geração. A grande maioria ao ganhar suas estrelas michelins (ou mesmo antes) deixam de ser chefs e passam a ser homens de negócios, abrem restaurantes ao redor do planeta e passam mais tempo em aviões do que nas próprias cozinhas. Passard não, ele foca suas atenções no seu único restaurante e seus ingredientes, que ele mesmo planta e colhe em uma das suas 3 hortas orgânicas.
Passard não quis criar um império, ele quis provocar uma revolução. Criou uma nova maneira de cozinhar e comer legumes. Pela primeira vez na história vegetais viram protagonistas e as carnes saem de cena em um restaurante reconhecido como um dos melhores do mundo. É difícil para nós brasileiros carnívoros entendermos a importância e a transformação que Passard provocou. Mas este episódio irá ajudar.

Alexandre Couillon

Na sequencia vem Alexandre Couillon e seu restaurante La Marine localizado em Noirmutier na Bretanha.
Para entender a relevância do La Marine e de Alexandre é precisos saber que Noirmutier é uma ilha com 10 mil habitantes, perdida entre nada e lugar nenhum e que pouca coisa cresce lá. A gastronomia não é o forte de Noirmutier. Não era. Couillon transformou a ilha. Foi buscar inspiração revirando seus traumas e vasculhando inspiração na sua história caiçara filho dessa ilha esquecida no canto do atlântico norte.
Antes de julga-lo de histérico pela cena que abre o episódio lembre-se que aquele lá é muito mais que seu restaurante, é seu habitat e como tal ele conhece e exige de seus ingredientes mais do que qualquer um.

Adeline Grattard

No episódio 3 somos apresentados a Adeline Grattard. A única mulher da série. O único restaurante que já tive oportunidade de ir o Yam’Tcha. Há rumores que Adeline foi a segunda opção. Sem dúvida há outras chefs com trajetórias mais brilhantes do que a dela porém sua história é interessante. Casada com o hongkongnes e apaixonada pela cultura chinesa, Adeline mistura cozinha e técnicas francesas e chinesas com maestria.
O fato de jamais seguir receitas e sempre servir pratos diferentes para cada mesa em seu restaurante conquistou a critica francesa. Em especial, François Simon, um dos mais renomados críticos franceses da atualidade, foi ele quem a “descobriu” e a transformou em uma grande estrela da cozinha parisiense. É ele que aparece no episódio sem mostrar o rosto.

Michel Troigros

Se existe uma dinastia na cozinha francesa ela atende pelo nome de Troisgros. O último episódio da série conta a história do terceiro rei desta dinastia, Michel Troisgros. Neto de Jean-Baptiste, filho de Pierre, sobrinho de Jean todos eles legendários cozinheiros franceses, todos 3 estrelas Michelin. Michel também é irmão do querido chef, quase brasileiro, Claude Troisgros.
Ele bem que tentou fugir, mas o destino o levou, mesmo sendo o casula do clã, a herdar o restaurante de seu pai. Ao contrário das expectativas ele mostrou ser o mais brilhante de todos, até agora. Talvez este, dos quatros, seja o episódio que mais me tocou. Um episódio que mostra a transmissão de uma paixão, que só depois se transforma numa profissão para enfim se tornar uma vocação.

Em tempo: Para este episódio de Michel Troigras talvez você  queira saber que oseille em português é azedinha.

Chef’s Table: France | Official Trailer [HD] | Netflix
http://youtube.com/netflix

One Comment

  1. Apesar de ser o menos carismático, a história de que mais gostei foi a do Alexandre Couillon. Persistente, dedicado e sonhador. Essa receita geralmente dá certo. :)

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>